Conheça um pouco sobre o evento SEW – Startup Europe Week

Sob a liderança e apresentação de Sofoklis Kyriazakos, professor da Uni Aarhus no Departmento de Business Development and Technology, o Startup Europe WeeSEW 2018 aconteceu na cidade de Aarhus, na Dinamarca, entre os dias 5 e 9 de março. O evento é um movimento cujo objetivo é ajudar empreendedores a crescer e prosperar em todo o mundo, através de uma série de eventos focados localmente que mostram aos empreendedores qual apoio está disponível em sua cidade e região. O evento acontece em +300 cidades ao mesmo tempo!

O evento foi tão bacana que decidi fazer um breve resumo sobre o que aconteceu no evento em Aarhus, mas lembrando que cada cidade teve uma agenda própria.

Opening

Sofoklis Kyriazakos fez um breve relato sobre sua vida como empreendedor. Trouxe uma interessante reflexão sobre como criar resiliência após um fracasso e um pouco da perspectiva de empreendedores na Grécia atual, momento extremamente difícil.

 

Disrupting Disruption – The only way forward for Entrepreneurial Youth.

Palestra do Rajv Basaiawmoit, Head of innovation department Ph.D, MBA. Onde ele sugere que o termo Disruption não é recente, mas já foi introduzido antes de 1995. Ele trouxe a discussão do livro The Inventor Dilema book, onde o autor captura como pequenos negócios criam valor e perturbam (Disrupt) gigantes do mercado. O principal ponto da conversa dele foi que disruption é um processo, e atualmente o sucesso desse processo depende do empreendedor saber navegar de forma inteligente pelas incertezas.

 

 

Research Group Experiment by Peter Lindgren, Professor at Uni Aarhus and BTECH member

Professor Peter trouxe um jogo (similar a de tabuleiro + dinâmica de grupo) que auxilia na criação e avaliação de Business Case! Além de muito bacana, o projeto tem sido utilizado como ferramenta para jovens empreendedores. (Foto abaixo)

 

Nano Tech Club Aarhus – Roda de discussão 

Alunas do curso de nanotecnologia apresentaram seus Business cases surgidos de pesquisas nos laboratórios. Uma estudante vinda do Vietnã acabou de criar e patentear um tipo de “plástico” feito de nanopartículas (ou artigos com propriedades nano) que promete revolucionar o que sabemos sobre embalagem hoje, o produto apresentado pela startup Cellugy promete ser facilmente decomposto, limpo, aguenta altas temperaturas e micro-ondas. Um outro aluno, trouxe sua pesquisa sobre um material baseado em nanotecnologia, quase como um plástico, ou uma película, que fixado no vidro de janelas seria capaz de captar energia solar. Aguardamos ansiosos pelo desenvolvimento! A discussão também trouxe temas como mulheres na ciência e apoio a países em desenvolvimento e seus cientistas.

Readlst Pitch startup

O Readlst trata-se de um app que transforma textos de jornais e revistas em audio, para o ouvi em qualquer lugar no seu celular. O Empreendedor, Janus Nielsen, Founder, ex-aluno na Uni Aarhus apresentou seu modelo de negócios e recebeu diversos elogios e sugestões positivas de como aperfeiçoar a ideia, diversos grandes nomes de professores e empreendedores escutaram a ideia e compartilharam feedbacks. Esta é a proposta do SEW, proporcionar ao empreendedor, conexões locais para deslanchar a ideia.

Palestra sobre Standards driven innovation: Albena Mihovska, PhD – BTECH.

How much Growth Industries, High Tech:  Serena Leka – Proj. Manager Uni Aarhus 

CareWare acelerator for health care.

Welovestartups

Cheio de energia o criador de uma dos maiores eventos de premiação e fomento de Startups apresentou seu trabalho nos países nórdicos, criando competições em Universidades e premiando jovens talentos e startups com potencial! Veja: thehub.dk and inno-overblik.dk

BRIDGE – Connecting the Nordics with Startup Europe and Funding opportunities

Professor Sofoklis fechou o evento. Trouxe a reflexão dos possíveis motivos para os jovens Nordicos serem mais bem sucedidos com empreendimentos do que os europeus. Elencou as principais características de startups nórdicas: Melhores Países para se empreender (que abrange vários critérios, sendo um dos principais: menos Burocracia), Global Innovation Index, % de PhDs empregados na sociedade, e Percepção de corrupção.  Sofoklis trouxe diversos exemplos de sucesso. Também chamou atenção o fato de o governo incentivar e assumir possíveis prejuízos e riscos. Todos os incentivos são favoráveis a criar. Dessa forma, se o estudante quiser desenvolver algo algo e/ou empreender, ele terá funding, educação, infraestrutura e mão de obra qualificada – se seu projeto não der certo, ele estará na mesma situação que antes, se seu projeto der certo, ele se tornará milionário. Parece que na Escandinávia não há grandes incertezas na análise de risco e retorno.